Escola de Aplicação promove discussão sobre patriotismo no esporte

Publicação 15/09/2015

Enquete requer a opinião dos alunos sobre o assunto

             Em época de Copa do Mundo, Jogos Pan-americanos e Olímpicos, a Escola de Aplicação Dr. Alfredo José Balbi está promovendo uma discussão, por meio de aulas teóricas de Educação Física e de enquetes online, sobre a importância do patriotismo no esporte. A Escola quer saber a opinião dos alunos sobre o assunto para despertar o senso crítico entre os jovens.

             A enquete Esporte e Patriotismo pode ser encontrada no site da Escola de Aplicação e traz à tona a questão sobre a naturalização de atletas que escolhem ou são convocados para jogar em outras seleções que não sejam as de seus países de origem.

            A questão sobre a relação esporte-pátria é tratada nas aulas de Educação Física do Ensino Fundamental, do 6° ao 9° ano, com o Prof. Miguel Angelo Benedicto para a turma masculina, e com a Profa. Virgínia Mara dos Santos Smegal para a feminina, e visa trabalhar o projeto cívico de uma forma que desperte o interesse dos alunos.

            “Nossa intenção é de que os alunos aprendam a diferença entre civismo e patriotismo. Porque a visão do momento político e esportivo em que estamos vivendo nos deixa alienados”, explica o Prof. Miguel, coordenador do projeto educacional do Esporte e patriotismo.

            Os assuntos tratados nas salas de aula são abordados de quatro formas diferentes, que são: a relação entre política e futebol na última Copa do Mundo no Brasil, as conquistas do Brasil no pódium nas olimpíadas e nos Jogos Pan-americanos, as diferentes formas dos países se relacionarem com seus símbolos nacionais e a naturalização do esporte. Depois de todos os conteúdos apresentados, os alunos são convidados a se posicionar sobre o assunto.

            A intenção da enquete e das aulas é a de, além de incitar os alunos ao criticismo, mostrar a diferença entre o esporte praticado de forma correta e o esporte que pode ser confundido como instrumento de manipulação.

            “Nós queremos dar este subsídio de reflexão aos alunos para eles não enxergarem o esporte como o ópio do povo, como muitas vezes o nosso futebol é visto. A prática desportiva vai muito além disso. Ela tem que ser usada para o desenvolvimento saudável das pessoas e para promover competições saudáveis, o que leva a este tipo de discussão sobre patriotismo. Só que infelizmente, muitas vezes, ele é usado para uma política de pão-e-circo”, conclui o Prof. Miguel.

            A enquete no site da Escola de Aplicação está aberta a votos e opiniões e serve para promover as discussões em sala de aula sobre os atletas que são naturalizados para jogar em seleções de outros países. Responda  aqui e contribua para a formação de opinião dos alunos da Escola de Aplicação.

                Luís Sonsini 
                Escola de Aplicação/UNITAU