Colégio UNITAU promove ações lúdicas para aprimorar ensino infantil

Publicação 09/12/2021

O "Pop it da adição” possibilitou a concentração, a memorização e a imaginação.

Atividades lúdicas se mostram essenciais na educação infantil, pois auxiliam o processo de ensino-aprendizagem e ainda desenvolvem múltiplas habilidades nas crianças, como a concentração, a memorização e a imaginação.

Esse fator vai além de facilitar o aprendizado e tornar a aula mais divertida, pois, com o acesso à tecnologia, os alunos já sabem se entreter com o celular e a rotina de estudos se torna exaustiva. Por meio de jogos, o educador consegue cativar a atenção da criança e a deixa mais atenta ao conteúdo ensinado. Essas ações estimulam a criança, sem que ela perceba, pois ela aprende brincando.

A Escola de Aplicação Alfredo José Balbi, da Universidade de Taubaté (UNITAU), promove o ensino lúdico de diversas formas na educação infantil. Um exemplo foi a atividade desenvolvida pela professora Angélica Mello Mendonça Freitas com os alunos do primeiro ano do ensino fundamental.

A professora trouxe a atividade “Pop it da adição” com os alunos utilizando como referência o brinquedo pop it, que ganhou grande popularidade entre as crianças. O jogo é feito de bolinhas com material flexível que emitem o som de um plástico bolha ao serem apertadas e é considerado um brinquedo que auxilia a acalmar a criança e a melhorar o foco.

A educadora utilizou bexigas para simbolizar as bolinhas do brinquedo pop it e, quando os alunos estouravam as bexigas, coladas na parede, apareciam papéis com os cálculos que eles deveriam efetuar. “Eu realizei essa tarefa para exercitar e reforçar o cálculo da adição simples para os alunos, que é um cálculo que eles já conhecem. Eu também busquei essa atividade porque o jogo pop it é uma ‘febre’ entre as crianças. Como eles adoram esse jogo eu achei que seria uma ótima ferramenta para me auxiliar a prender a atenção dos alunos”, relata Angélica.

Quando ações lúdicas são realizadas com as crianças, um espaço se abre para que elas expressem seus sentimentos e, assim, elas irão desenvolver a afetividade para assimilar novos aprendizados. “As crianças aprendem mais quando estão mais engajadas. Fatores como a apreciação e o envolvimento contam muito na hora da aprendizagem, porque o cérebro trabalha de uma forma que irá possibilitar que aquela informação seja entendida de fato e não só apresentada”, pontua a professora.

Para a docente, o fator emocional é um requisito muito importante para o ensino, por isso, sempre que possível, ela traz tarefas e brincadeiras em que as crianças se envolvam afetivamente para assimilar as informações da melhor maneira. “Acredito que esses recursos podem funcionar como uma ‘isca’ para trazer a criança para mais perto dos professores e, consequentemente, do conhecimento”, finaliza.

Bianca Guimarães
ACOM/UNITAU