História brasileira: principais acontecimentos de abril

Publicação 11/04/2019

Mês guarda fatos marcantes na construção do país

Abril acumula acontecimentos da História nacional. No quarto mês do ano, muita coisa mudou o rumo do país: os portugueses ancoraram na Terra do Brasil, Tiradentes morreu lutando contra a Coroa Portuguesa, a atual capital, Brasília, foi fundada e militares tomaram o poder após um golpe de Estado.

Para ajudar nos estudos, o Prof. Marins Castilho Leite, que leciona História na Escola de Aplicação Dr. Alfredo José Balbi, traz resumos com os pontos mais importantes de cada período histórico do país.

1500 – Descobrimento do Brasil

Tudo começou com a expansão comercial e marítima da Europa no século XV. “O reino português, desde muito cedo, já investia na pesquisa sobre um caminho marítimo para fazer a navegação até as cobiçadas especiarias das Índias”, conta o professor.

“Foi montada uma super-expedição de 13 embarcações para ir até as regiões asiáticas e proporcionar lucros aos investidores. O comandante escolhido foi Pedro Álvares Cabral, nobre de confiança do rei.” Cabral contava com o cosmógrafo Duarte Pacheco Pereira, que havia participado de uma expedição secreta que mostrou a existência das terras brasileiras. “Por esta razão, os navios se afastam da costa africana e preferem navegar pelo meio do oceano Atlântico”, pontua.

“Em 22 de Abril de 1500, são avistados sinais de terra firme”, refere-se ao Brasil. “O almirante Pedro Álvares Cabral ordena que desembarquem na terra, confere os habitantes e suas características tão peculiares aos olhos europeus. Então, erige uma cruz, para simbolizar a posse oficial daquela terra em nome da Coroa portuguesa”. A partir da exploração do local, constata-se que o território é muito mais extenso, do que imaginado, rebebendo o nome de Terra da Vera Cruz, posteriormente substituído por Terra do Brasil – ou simplesmente Brasil.

1792 – Morte de Tiradentes

A Coroa Portuguesa comandava a extração de ouro no Brasil. Era cobrado um imposto de aproximadamente 20% da quantidade do metal encontrada na colônia, o chamado quinto.  Quando a extração teve uma baixa, foi instituído outro imposto: a derrama – mineradores deveriam suprir a demanda do ouro com seus bens pessoais. “Os boatos sobre as mudanças alvoroçaram alguns dos habitantes mais ricos e bem situados na Vila Rica, que imaginaram fazer uma revolta geral contra a dominação colonial, e lutar pela independência do Brasil”. Marcada a data da revolta, conhecida como Inconfidência Mineira, traidores delataram à Coroa em troca de perdão sobre as dívidas. “Ao final, onze prisioneiros foram condenados à pena de morte, mas a execução caiu somente sobre Joaquim José da Silva Xavier, o "Tiradentes”, o menos rico de todos os presos”. Em 21 de Abril de 1792, ele foi executado no Rio de Janeiro, e seus restos mortais ficaram espalhados pela região para servir de alerta para a população.

1960 – Inauguração de Brasília

“Quando fez sua campanha eleitoral em 1955, Juscelino Kubistchek fez a promessa de mudar a capital do Brasil após sua eleição”, diz o professor. O lema da campanha foi o slogan 50 anos em 5, referindo-se ao plano de metas para concretizar seus ideais desenvolvimentistas.

Apesar de a promessa ter sido encarada como banalidade de campanha, J.K. fez dela uma das transformações prioritárias pelas quais o Brasil deveria passar. “Após um concurso internacional, foi escolhido o projeto imaginado por Lucio Costa e Oscar Niemeyer, de levantar algo que reunisse as ideias arquitetônicas mais avançadas então disponíveis” ele conta. “Mesmo com a oposição e descrença de seus adversários (por causa de sua origem política vinculada à Getúlio Vargas), Juscelino Kubitschek conseguiu encerrar seu mandato inaugurando a nova capital federal em 21 de abril de 1960”, conclui.

1964 – Golpe Militar

“Quando o vice-presidente brasileiro João Goulart – Jango, foi chamado para assumir na vaga do desistente Jânio Quadros, em 1961, ele foi impedido de plenos poderes pela criação do Parlamentarismo”, explica o professor. “Este sistema exótico perdurou até 1963”. Tentando aplicar seus planos de governo, o presidente era impedido pelas manobras do Congresso. Com apoio dos EUA, lideranças brasileiras se aliaram aos comandantes militares, aos políticos e aos empresários da imprensa para influenciar a opinião pública, apontando negatividade nas intenções do governo brasileiro. “Acusado de buscar criar no Brasil um regime socialista próximo ao da União Soviética, os militares desobedeceram à Constituição e expulsaram o presidente eleito João Goulart em 1º de Abril de 1964, inaugurando uma Ditadura Militar que só findaria em 1985”, finaliza.

 

Marina Lima

ACOM/UNITAU